8 de setembro de 2009

Festa do Avante 2009

Terminou mais uma edição da Festa do Avante. 3 dias de muita música, comida, bebida, fumo e vómitos. Ou seja, igual aos outros anos, com a excepção de não ter concerto de Xutos & Pontapés.
Ao invés de ir à festa para ver concertos, decidi concentrar-me mais no que a festa tem de melhor: comida e bebida. E também por estar a ficar velho e não ter paciência para muita música.
Ao entrar na festa, estava já uma multidão. Mais de 90% do público parecia saído do Chapitô.
O espaço da Quinta da Atalaia na Amora está rodeada de pinheiros e outros árvores, porém, o ar que se respirava era de oxigénio misturado com chamon, charro, erva, ganza, haxixe, liamba, tablete, taco, curro e maconha.
Com vontade de provar vários pratos regionais, nas centenas de barracas das localidades, a maior parte já nem tinha pratos da região. Esgotado em minutos. E depois admiram-se que o pessoal alimenta-se de hamburgueres das roulottes do "Psicológico". Pelo menos aí há "alimentação" garantida.
Houve algumas coisas boas na festa. As 4 coisas que me marcaram foram: a sandes mista da Serra da Estrela, a poncha da Madeira, o vinho Tinto de Lisboa e as mulheres de todo o lado. Não necessariamente por esta ordem.
Mas, os hábitos mudam de ano para ano. Neste caso, sabemos que estamos velhos quando:
-pagamos bilhete só para comer os pratos tradicionais.
-substituimos a cerveja por copos de vinho tinto.
-antigamente, umas horas antes de abrir, eu já estava à porta para entrar. Agora, umas horas antes de fechar já eu estou de saída.
-antes ficava uma hora na fila e depois entrava na festa. Agora fico uma hora na festa e depois vou para casa.

Para o ano há mais... vinho.

2 comentários:

NB disse...

Gostei particularmente do final do 1º paragrafo :D.
Bom, mas este ano, pela 1ª vez em muitos, muitos anos eu não fui ao Avante (por opção própria).
O espirito da festa já não é o que era... música muito comercial (sempre os mesmos em todos os festivais), muita "cachopada" que parece nunca terem saído de casa antes, gente parva que só está bem a "fazer merda", etc...
Enfim... é como se costuma dizer: a tradição já não é o que era!!!

NB
--

Inês Brito disse...

A idade já não perdoa x)

Eu nunca fui. Desde há alguns tempos, que é como quem diz, desde quando me interesso por coisas do género, que coincide com o dia dos meus anos e os meus pais não me deixa, obviamente, ir para lado nenhum.

Bj,
(i)