26 de junho de 2009

Crónicas laborais

Operador - Como é o anúncio?
Cliente - "DT LC 50, para peças. Barato."
Operador - É só?
Cliente - "DT LC 50, para peças. Barato."

Cliente - Queria pôr um anúncio.
Operador - Qual é o nº de telefone?
Cliente - xxxxxxx.
Operador - Mas...esse é o nosso número.
Cliente - Ah, desculpe. É que acabei de almoçar e bebi uns copos a mais... Já não bebo mais hoje. Eu já volto a telefonar para dar o nº de telefone.

Cliente - Acho que tem uma voz muito agradável, mas está um pouco constipada. Mas tem uma voz muito agradável. Acho que deve manter.

Cliente - Os senhores colocam anúncios de casas?
Operador - Sim, sim.
Cliente - Já agora, estou a falar com quem? Posso tratá-lo por jornalista?

Cliente - Não existe aí uma operadora chamada Marlene?
Operador - Marlene...não.
Cliente - Sei que começa por M.
Operador - Só se for Maria.
Cliente - Não, já sei. É Carmen.

Cliente - Queria pôr um anúncio de um carro.
Operador - Como é que é o texto?
Cliente - Olhe, não sei, a senhora faça um texto, já está habituada a essas coisas.
Operador - Mas que carro é?
Cliente - É um Mercedes 190 D, está impecável.
Operador - E mais?
Cliente - Não sei o que ponha.
Operador - Vai pôr o preço?
Cliente - Não, não vou.
Operador - Pronto, então o seu anúncio já está colocado.
Cliente - Olhe, tem vidros eléctricos e fecho central.
Operador - Está bem.
Cliente - É de garagem e é azul.

2 comentários:

Javalí Rubio disse...

Não sabia que tínhamos jornalistas no Ocasião ...

João disse...

Eh pá, eu por acaso até queria comprar o Mercedes 190D, mas queria com vidros manuais. Ainda bem que avisaram que é com vidros eléctricos, assim escuso de ligar...